E-commerce

10 mandamentos em SEO para e-commerce

Para ter um site otimizado tanto para os mecanismos de busca, quanto para os usuários, é preciso seguir à risca esse conjunto de regras. Conheça alguns mandamentos!

Por Nerdweb - Dia 15 de Julho de 2019 às 17:07

Quais são as características de um site de e-commerce de sucesso? As estratégias de SEO para e-commerce são fundamentais para colocarem as suas postagens em evidência.

Não se trata apenas de postar conteúdo em grande quantidade, mas sim de publicar informações de qualidade, e que possam agregar valor às dúvidas do público. Para isso, é preciso seguir um conjunto de regras, que chamaremos aqui de “Os 10 Mandamentos em SEO para e-commerce”. A sua página atende a todos esses requisitos?

1. Carregamento rápido

Desde 2010 o Google incluiu em seu algoritmo o fator “carregamento de página” como um dos quesitos para ranquear sites no buscador. Isso ocorreu porque na ocasião muitos desenvolvedores estavam adicionando “penduricalhos” às suas páginas, tornando o carregamento mais lento – o que era péssimo, especialmente para mobile.

carregamento-da-pagina

Dessa forma, quem tem um site de e-commerce e deseja ranqueá-lo bem precisa estar atento a questões técnicas da página, como o servidor contratado, a estrutura do código por trás do site e tudo aquilo que possa influenciar na velocidade de carregamento da página. Segundo a Kissmetrics, 40% das pessoas abandonam um site que leva mais do que 3 segundos para carregar.

2. Design responsivo

Os celulares são hoje a principal porta de entrada na internet para os consumidores. Em algumas páginas, é comum que o número de acesso via mobile supere com tranquilidade as visitas oriundas de PCs e notebooks. Isso significa que o seu site precisa estar muito bem adaptado às duas possibilidades.

Por design responsivo entendemos que um site precisa se adequar a qualquer resolução de tela ou dispositivo em que ele seja exibido. Além disso, sites construídos para serem mais rápido em suas versões mobile também são priorizados pelo algoritmo do buscador.

3. Segurança HTTPS

A encriptação do tipo HTTPS é fundamental para os sites da atualidade, especialmente aqueles que lidam com informações sensíveis, como formulários com dados pessoais dos consumidores e números de cartão de crédito. O Google leva isso em consideração e prioriza aqueles que estão alinhados com essa ideia.

Entretanto, a preocupação com a segurança deve estar presente em todas as páginas. Por essa razão, é preciso respeitar todas as normas de segurança vigentes. No Google Chrome, usado por 61% das pessoas, quando o site não tem esses recursos o usuário é informado – o que certamente não é nada bom para a credibilidade do seu negócio.

4. Navegação amigável

Por navegação amigável entendemos que o usuário deve precisar do mínimo possível de cliques para concluir uma compra. Além disso, ele precisa estar ciente do caminho que percorreu, algo que pode ser orientado pelas chamadas breadcrumbs.

A ideia é que o usuário saiba exatamente onde ele está no site, sabendo ainda como voltar para o nível anterior e o que ele encontrará no nível seguinte. Dados do Ebit/Nielsen apontam que em 2019 42,8% das compras online foram finalizadas pelo celular. Quanto menor o número de cliques para concluir uma transação, melhor.

5. Integração com as redes sociais

Vivemos em uma era em que as pessoas passam mais tempo navegando dentro de redes sociais do que em sites propriamente ditos. Sendo assim, é fundamental que a sua plataforma de e-commerce tenha integração com as redes sociais mais utilizadas pelos brasileiros, como Facebook, Twitter, Instagram.

Isso porque quando o consumidor compartilha sobre uma compra nas redes sociais, muitas vezes têm maior poder de influência sobre os amigos e familiares do que as próprias propagandas. De acordo com a Nielsen, 92% dos consumidores ao redor do mundo afirmam confiar totalmente na indicação de um amigo ou familiar. Você não vai abrir mão dessa oportunidade, não é mesmo?

6. Avaliação online

Faça com que os seus consumidores participem, estimulando-os a deixarem comentários com as impressões que tiveram sobre um produto ou serviço. Esse é um dos aspectos valorizados pelo Google e a maioria dos consumidores (68%, segundo a Nielsen) confia na opinião de terceiros online.

Aproveite as suas ferramentas de pós-venda para estreitar os laços com os seus clientes, seja por meio de e-mail marketing ou pelas redes sociais. Clientes que voltam sempre à sua página, ainda que seja apenas para deixar avaliações, têm maior tendência a continuarem comprando.

7. Descrições exclusivas dos produtos

Os fabricantes enviam às lojas descrições completas sobre os produtos. Porém, o problema é que ao colocar esses textos no ar o conteúdo da sua página se torna idêntico ao de dezenas de outros sites. Além disso, talvez o texto em questão seja bom, mas inapropriado para dialogar com o seu público.

Portanto, o ideal é buscar textos únicos para os seus sites, com descrições que apresentem os benefícios de compra e os diferenciais. Além disso, as técnicas de SEO não devem ser deixadas de lado. Você pode trabalhar em parceria com a sua equipe de marketing digital para obter conteúdos mais personalizados e eficientes.

8. Titles, descriptions e CTAs

Por vezes, mesmo sites bonitos relegam a segundo plano a edição de Meta Title e Meta Description, informações presentes no código da página e que facilitam que ela seja encontrada pelos mecanismos de busca. É preciso se certificar de que esses campos serão preenchidos – e que terão um texto útil para os buscadores.

Aproveite a oportunidade também para investir em bons CTAs (sigla para call to action). Informando ao leitor sobre um benefício exclusivo, além de fornecer a informação necessária você não perde a oportunidade de fisgá-lo para uma eventual compra.

9. Blog e link building

Embora as páginas dos produtos quando otimizadas sejam fundamentais para um bom ranqueamento, a existência de conteúdos de qualidade, inéditos e exclusivos é um dos grandes chamarizes para atrair consumidores. Ao fazer isso, os buscadores entenderão que sua página é relevante e outros sites poderão linkar para você.

As estratégias de link building permitem que links internos levem o visitante para outras páginas do seu site. De acordo com o Inside Archived Web, empresas com foco B2B com blogs conseguem 67% mais leads do que as que não têm. Além disso, conforme confirma a Marketing Sherpa, melhorias no conteúdo podem aumentar o tráfego em até 2000%.

10. Rich snippets

Ter um trecho de uma das suas páginas transformado em rich snippet pode aumentar a taxa de cliques em até 677% e gerar de 20% a 40% mais tráfego para as suas páginas do que conteúdos que não tem esse recurso. Por isso, investir em textos que possam ser transformados em respostas diretas nos mecanismos de busca é outra estratégia que não pode ser deixada de lado.

Esses dados estruturados poupam tempo de usuário que está em busca de uma resposta e, além disso, aumentam a credibilidade da sua página, tanto junto ao algoritmo quanto junto ao buscador. É um passo importante no que diz respeito a se diferenciar dos seus concorrentes.

****

As estratégias que mencionamos aqui são apenas a ponta do iceberg quando se trata de criar sites de e-commerce capazes de trazer ótimos resultados. Consulte a equipe de marketing digital da Nerdweb para conhecer inúmeras outras possibilidades de fazer o seu conteúdo se transformar em um campeão de vendas.

FIQUE POR DENTRO!

Fique atualizado com as últimas noticias, dicas e novidades da Nerdweb.